Translate

Buenos Aires - Outlets e Calle Florida

Sexta 13/01

Dia programado para compras, começamos pela Calle Florida, Galeria Pacifico e depois seguimos para os Outlets na Av. Córdoba, para ganhar tempo fomos de táxi ($32) e descemos na Av. Córdoba 4200.  Veja como ir usando o metrô.

Andamos pela Av. Córdoba, Aguirre e Gurruchaga, não vi vantagem nos preços e produtos. Preços semelhantes aos da Florida e Galerias Pacífico além de roupas feias, parecia uma grande liquidação tipo queima total, roupas com aparência de ponta de estoque, coisas de balaio, sem opção de tamanhos. As roupas boas e bonitas estavam com preços iguais ou até superiores aos dos Shoppings. Compramos muito pouco.

Eu tinha a dica que compensava mais ir ao Shopping DotBaires, mas como não conhecíamos os outlets de Buenos Aires acabamos indo para nossa total decepção e arrependimento. Não recomendo. Em resumo, as melhores compras que fizemos foram na Calle Florida, Shoppings e principalmente nas lojas localizadas no trajeto entre o hotel e Galerias Pacifico.

Almoçamos num restaurante local, bem simples, não lembro o nome, fica na esquina da Rua Juliañ Álvarez x Av. Córdoba, comemos milanesa com fritas ($40 com bebidas), deliciosa e farta, não sabíamos e pedimos um prato para cada, mas a porção servia muito bem duas pessoas.

A noite, fomos assistir ao Show de Tango, como já conhecíamos o show do Café Tortoni optamos pelo Bien de Tango  localizado no Centro Cultural Borges, dentro do Shopping Galeria Pacifico. O show acontece num teatro com poltronas marcadas, como sempre lota é recomendável comprar com antecedência. O Show é muito bonito e rico, puro tango, os bailarinos são excepcionais, dançam com toda elegância e sensualidade. A orquestra é ótima. O solista tem uma uma voz forte, marcante, excelente. Já a solista não gostei, uma voz fraca e cansativa, de dar sono.

Comparando o show do Café Tortoni com o Bien de Tango, são bem diferentes, o do Café Tortoni tem um teatrinho, uma história, entretenimento com o público. Já o Bien de Tango é uma apresentação de dança, a essência do tango e pronto. Para quem está viajando com adolescentes acho que o show do Tortoni é mais interessante, apesar das meninas terem gostado muito do Bien de Tango.

Após o show, pegamos táxi ($17) até o restaurante Plaza Asturias (Av. Mayo x Salta), restaurante tradicional e sempre cheio. O cardápio é bem variado, péssimo atendimento, a garçonete que nos atendeu   era muito grossa, comida demorada, cozinha desorganizada,  éramos 7 pessoas e os pratos não saiam juntos. Restaurante caro para o padrão de atendimento. Os pãezinhos de entrada e a comida estavam saborosos, foi o que salvou ($90 por pessoa com bebida). Cobra serviço de mesa ($12 por pessoa). Pagamento somente em dinheiro.


Mais em:
Outlets

Buenos Aires - Plaza Mayo - Zoo de Buenos Aires, Jardim Botânico, Rosedal, Jardim Japonês - Hard Rock

Quinta 12/01
Obelisco
Acordamos cedo e as 9h conseguimos sair do hotel. Como meus irmãos precisavam trocar dinheiro seguimos pela Av. 9 Julho em direção a Av. Sarmiento, no caminho paramos no Obelisco. A melhor cotação era da casa Multifinanzas a fila estava imensa e lenta, mas a cotação compensava e muito. Enquanto eles faziam o câmbio aproveitamos e entramos na Farmacity. Estranho passear numa farmácia? Nesta não. A Farmacity    é ótima para comprar maquiagens, cosméticos em geral e até alguns remédios como o Centrun (130 capsulas por $51).

Continuamos nossa caminhada até a Plaza de Mayo, passeamos pela Casa Rosada, Sede do Banco de La Nacion da Argentina, Catedral Metropolitna, Museu El Cabildo e Manzana de Las Luces. Na entrada da Casa Rosada,  acontecia uma exposição de fotos do cotidiano da Presidente, fotos belas e interessantes, registros de momentos políticos, pessoais, alegres, tristes, com a família... Desta vez visitamos mais tranquilamente a Catedral Metropolitana. A Plaza estava cheia, mas de turistas, nada de acampamentos e manifestantes. Veja post viagem anterior com detalhes destes passeios.

Casa Rosada
Casa Rosada - exposição fotos
Plaza de Mayo
Pegamos metro (linha D/verde) para Plaza Itália, em Palermo, começamos visitando o Jardim Botânico (grátis), caminhamos por suas milhares de espécies de plantas e esculturas, o jardim continua lindo, limpo, e muito bem cuidado. Achei muito legal visitar o mesmo lugar em estações diferentes e poder observar as diferenças. Os gatos continuam fazendo parte do cenário, lindos e gordinhos. Sem dúvida um passeio muito agradável.

Jardim Botânico
Jardim Botânico
 Atravessamos a Avenida e chegamos ao Zoo ($34 + $14 saco de ração opcional), ou melhor a fila do Zoo, sem opção perdemos alguns minutos na fila. Apesar do calor, todos os animais estavam acordados e agitados. Minha sobrinha adolescente adorou a ideia e experiência de poder alimentar alguns animais e até tocá-los. Minha filha quis repetir a experiência mas desta vez sem disputar com a cabra o saco de ração (risos).  Apesar do zoo estar lotado as filas eram rápidas, o complicado era aguentar o calor que estava fazendo. O Zoo conta com diversos quiosques de lanches, bebidas e sorvetes.

Zoo de BsAs
Zoo de BsAs
Zoo de BsAs
Zoo de BsAs
Após o Zoo seguimos caminhando para o Rosedal (free), localizado no Parque Tres de Febrero, maravilhoso, muitas plantas, milhares de roseiras, esculturas, espelho d'água. Depois caminhamos até o Jardim Japonês ($16), jardins verdes, lagos com carpas e pontes, esculturas tipicas retratam um tradicional jardim japonês, um passeio rápido, tranquilo e muito agradável.

Rosedal
Rosedal
Rosedal
Rosedal
Rosedal
Jardim Japonês
Jardim Japonês
Jardim Japonês
Jardim Japonês
Do Jardim Japonês pegamos táxi para Recoleta ($17) para almoçar no Hard Rock Café localizado no Shop Buenos Aires Design. Não passeamos pelo shopping, seguimos direto para o restaurante que fica no terraço. O restaurante segue a característica dos demais, estilo rock roll e comida americana, muito bom, adoramos o local e a comida ($100 por pessoa com bebidas).

Hard Rock
Hard Rock
Hard Rock
Hard Rock
Retornamos de táxi para o hotel ($20). A noite passeamos pela Av. Corrientes, Obelisco e jantamos no La Casona (Av Corrientes), pizzaria bem popular entre os moradores locais, sempre cheia, comida boa e farta, atendimento bom e rápido, não cobra serviço de mesa. Comemos algumas empanadas, pizzas e bebidas (sucos, refrigerantes e cervejas) algo como $40 por pessoa. Muito barato.

Voltamos a pé para o hotel por volta da meia-noite e não presenciamos nada de assustador, as ruas estavam movimentadas e bem policiadas, inclusive toda viatura que passava por um grupo de pessoas diminuía a velocidade e observava o movimento.

Mais em:
Roteiro
Plaza de Mayo - novembro 2010
Jardim Botânico, Zoo e Jardim Japonês - novembro 2010

Buenos Aires - Temaikén

Terça 17/01

Estava programado conhecermos Colônia del Sacramento, como não conseguimos comprar pela Internet, tentamos comprar pessoalmente mesmo com antecedência, mas estava muito caro, $508 por pessoa, não sabíamos se realmente a viagem compensaria o custo. Então atendendo ao pedido das adolescentes, fomos ao Temaikén ($82).


Saímos logo cedo, pegamos metro até a Plaza Itália (linha D/verde - $2,50), na Plaza Itália pegamos o ônibus linha 60 para Escobar ($13 ida/volta), compre ida e volta. A viagem foi bem demorada (1:40h) o ônibus parou várias vezes durante o trajeto para embarque de passageiros. Na volta, tentamos comprar passagem no ônibus da Chevalier que pára somente em 3 pontos durante o trajeto, mas não tem ponto de venda na porta do parque, somente catraca dentro do ônibus que aceita apenas moedas, não tinha como conseguir $91 em moedas, então voltamos no pára-pára, que para nossa sorte saiu do parque lotado e só parou em Buenos Aires. Na volta desça na Plaza Itália, última parada do ônibus.




O Parque continua lindo, limpo, organizado, animais bonitos e bem tratados. Todas as atrações estavam abertas a visitação, todos os quiosques estavam funcionando, os ventiladores com vaporizadores instalados nas calçadas estavam ligados. Somente o borboletário estava fechado para reforma.





Estava um dia lindo mas muito quente, para aguentar o calor tivemos que fazer várias pausas para bebidas e sorvetes e ao invés de almoçar optamos por um lanche. Ficamos no parque até as 16h. 



A noite jantamos novamente no La Casona (Av. Corrientes).

Mais em:

Buenos Aires - Zoo Luján

Segunda 16/01

Estava apreensiva com esse passeio, li vários relatos positivos e negativos sobre o Zoo, sobre a maneira como os animais eram tratados, que ficavam acorrentados, dopados... Adoro bichos e não gostaria de chegar lá e presenciar maus-tratos e muito menos contribuir com essa atitude. Por fim conversei com uma pessoa que mora em Buenos Aires que já fez esse passeio várias vezes e me garantiu que não tinha nada disso, que eu tinha que ir para ver como funcionava o local. Enfim decidimos fazer o passeio e me prometi que faria o comentário exatamente do que eu visse. 

No dia anterior liguei para a Fabebus (02323-436304) para reservar os lugares na Van  que leva ao Zoo Luján ($56 ida/volta por pessoa). A Van pára em pontos determinados, pegamos em frente ao hotel Republica próximo ao nosso hotel. A volta é combinada na ida com o próprio motorista, caso queira mudar o horário do transfer é só pedir a recepcionista do zoo para ligar. A van levou apenas a minha familia e mais um casal, não tivemos paradas pelo caminho, levamos uns 50min até o Zoo, normalmente esta viagem dura de 1:15 a 1:30h segundo informação do próprio motorista.

Fomos os primeiros a chegar, por volta das 9:40h, o local é muito simples, terra batida mesma, nada de calçadas, cadeirinhas, ventiladores...nada disso, uma fazenda. Bem em frente ao portão uma moça  vende as entradas ($100 pagamento em dinheiro) próximo a esta moça já vimos a primeira jaula com filhotes de leões e cães, juntos e misturados. Mais a frente um rapaz recolhe o ticket, entrega o mapa com a localização das jaulas e vende sacos de ração. No caminho para as jaulas passamos por um museu ao ar livre de carros militares e vagões ferroviários, relíquias de propriedade do Zoo.






Como chegamos cedo ainda não podíamos entrar nas jaulas, enquanto aguardávamos caminhamos pelo local e presenciamos os animais sendo tratados e alimentados, vimos também uma moça avaliando-os e dando instruções, pareceu ser a veterinária, inclusive na jaula dos filhotes só entramos depois que ela autorizou.


                                   


Os animais ficam em currais, cercados, os felinos em jaulas e alguns são criados totalmente soltos como as ilhamas. Nenhum animal estava acorrentado. Os animais nascem na fazenda e desde bebês são criados em contato com pessoas e cães para que cresçam dóceis e domesticados. 






Depois retornamos para o passeio de dromedário, eu preferi não fazer, o passeio é bem curto, um pequena volta, quem fez achou divertido.  O urso estava novamente sendo tratado, então desistimos e não retornamos a jaula dele. Alimentamos e tocamos em  Ilhamas, veados, ovelhas, patos, cavalos... Vimos também macacos e puma mas não entramos nas jaulas. Por opção e respeito (risos) não entramos na jaula do Rei leão.


Enquanto fazíamos o reconhecimento do local, observei que as jaulas eram feitas com aquelas cercas de arame dupla (alambrado) e uns 2 tratadores por jaula que as vezes ficavam de costas para os animais, isso me deixou um pouco assustada, mas por outro lado se fosse TÃO PERIGOSO assim, teriam mais tratadores.

O tratador passa algumas instruções de como se comportar dentro das jaulas e como tocar nos animais. Para entrar nas jaulas é preciso ser maior de 16 anos, crianças só podem entrar na jaula dos filhotes. A quantidade de pessoas e o tempo de visita dentro das jaulas é controlado pelo tratador respeitando o repouso e o momento de alimentação dos animais.

Começamos nossa aventura pelo cercado dos filhotinhos de leão com apenas 25 dias, foi maravilhoso, é difícil descrever a sensação de tocar e carregar um animalzinho destes, são lindos, fofinhos, pesados, arranham, com uma pelagem linda e sedosa, uma delícia.


Tivemos a oportunidade de alimentar os elefantes, eles estavam praticamente soltos, apenas uma barra de madeira nos separava. Enquanto o tratador cortava as maçãs brincava com um dos elefantes que balançava e batia a tromba no chão pedindo comida.



Prontos para mais uma aventura, entramos numa jaula com um tigre e uma leoa adultos. Estavam deitados, bem tranquilos, pareciam estar dormindo, pareciam, o tigre correspondia ao carinho mexendo o rabo e a leoa resolveu ficar de barriga para cima exatamente quando minha filha estava acariciando-a.



Para finalizar nosso passeio entramos numa jaula com uns 6 tigres adultos, alguns estavam deitados e outros andando pela jaula. Um dos tigres passava entre nós como se fosse a coisa mais normal do mundo e ao conversar com o tratador sobre isso, ele me disse que ELA era a mais mansa, tinha nascido lá na fazenda e estava incomodada porque estava perto de parir.



O tratador colocou um tigre sobre uma bancada para que pudéssemos tocá-lo e depois dar mamadeira, imagina uma lambida de tigre. De perto é que podemos ver o quanto são lindos e perfeitos, a pelagem é maravilhosa e sedosa, as patas imensas e tão delicadas, os olhos, tudo muito perfeito. Inesquecível.


Foi uma experiência maravilhosa, única, inesquecível, jamais imaginei chegar tão perto de um felino, muito menos tocá-lo. Ficamos na fazenda das 9:40 até as 12:20h e durante todo esse período não presenciamos nada de maus-tratos aos animais.

Retornamos para  Buenos Aires e queríamos comer um churrasco. Seguindo a indicação do hotel fomos almoçar no Siga la Vaca em Puerto Madero ($93 menu com bebidas e sobremesa). Arriscamos, pois alguns blogs recomendavam, outros condenavam, e parece que demos sorte estava tudo perfeito. Claro que não tem tantas opções como as churrascarias aqui no Brasil, mas o buffet estava variado com saladas, pratos quentes, massas, molhos, frios... As carnes estavam todas excelentes, saborosas e macias. As sobremesas estavam simplesmente deliciosas, eu pedi um Vulcano (petit gateau) um dos melhores que já comi.

Após almoço, pegamos taxi ($14) até a Galeria Pacifico, fizemos algumas comprinhas e no final do dia retornamos a pé para o hotel. 

Como estávamos cansados e a fome era pequena, optamos por encerrar a noite mais cedo com um lanche na Starbucks  próxima ao hotel. Para quem gosta do nosso pão de queijo mineiro é só pedir o pan de queso, uma delicia. 

Mais em:
Roteiro
Vídeo do Zoo Luján

Veja vídeo apresentado no Domingo Legal/SBT:
http://www.sbt.com.br/domingolegal/videos/Default.asp?id=76be639ba76a7911f4ff3da8e92182d9